Polícia registra assassinato no bairro Mangabeira


Um jovem de 22 foi anos foi assassinado a tiros por volta das 11h50 desta sexta-feira (30), na 1ª Travessa Santa Bárbara, próximo ao condomínio Acqua Ville, bairro Mangabeira, em Feira de Santana.

Segundo informações, Caio Fernandes de Oliveira estava embaixo de uma cobertura quando foi surpreendido e baleado. Não há detalhes sobre a autoria e motivação do crime.

A vítima morava na Estrada da Lagoa das Pedras, bairro Aeroporto. Já são 37 homicídios registrados neste mês de outubro e 319 no ano.

A delegada Daniele Matias presidiu o levantamento cadavérico e autorizou a remoção do corpo para o Departamento de Polícia Técnica (DPT).

Blog Central de Polícia, com informações de Denivaldo Costa e imagens reprodução.

Motoristas e entregadores de aplicativos de delivery reclamam de assaltos em Feira de Santana


Durante a pandemia do novo coronavírus foi notado o crescimento do serviço prestado por entregadores de aplicativos de delivery e somado a isso está o crescente número de assaltos a estes profissionais em Feira de Santana.

A informação é de Werley Batista, presidente do Sindicato dos Condutores Autônomos de Aplicativos (SINCAAP-BAHIA), no município. Ele destaca que além dos crimes praticados contra os motoristas de transporte por aplicativo, os motociclistas e ciclistas que atuam no ramo também são alvos dos bandidos.

Embora não tenha números exatos, ele informa que os ciclistas lideram a estatística de vítimas de assaltos na cidade.

Werley ressalta que o serviço prestado através do delivery absorveu um número significativo de pessoas que ficaram desempregadas e há cerca de 800 ciclistas atuando no ramo. “Ciclistas tem sido os principais alvos dos bandidos, mas os moto-entregadores também, principalmente na periferia da cidade”, relata.

O presidente do SINCAAP informa que tem buscado orientar a categoria para prestar queixa, até mesmo em tentativa de assalto, para ajudar a polícia a mapear o crime.

“Preste depoimento na delegacia, aconteceu, se roubou um real seu ou celular ou bem maior, o carro, vá à delegacia, registre o boletim de ocorrência para que a polícia militar tenha informações, possa criar um livro do volume de assaltos em Feira de Santana”, orienta Batista.

Ele informa ainda que de 60 a 80 mulheres também atuam no segmento e bairros como Asa Branca, Limoeiro, Aviário, Viveiros e Mangabeira estão entre os locais mais perigosos, mesmo durante o dia.

Werley Batista diz que através de palestras busca orientar os profissionais que trabalham por aplicativo a prestarem queixa e já manteve contato com a Polícia Militar para atuar no combate aos assaltos.

Motorista de aplicativo

Além dos entregadores, motoristas de aplicativo temem pela falta de segurança na cidade e alguns tem deixado de trabalhar de noite, como Carlos Vinícius, 44 anos, que atua no ramo há cerca de um ano e já foi vítima de assalto.

“Há carca de 20 a 30 dias eu fui assaltado, fui atender um chamado e era para terceiros, o passageiro entrou no carro e iniciei a corrida normalmente e no meio do percurso eles me pegaram pelo pescoço, colocaram a arma na minha cabeça, anunciaram o assalto e aí levaram meu celular, dinheiro, me ameaçaram bastante, porque o que eu tinha eles acharam pouco, revistaram o carro inteiro. Enfim, a partir daquele momento eu me sinto muito inseguro para trabalhar, não estou trabalhando mais à noite e hoje estou trabalhando até no máximo seis horas (noite). Antes de sair de casa peço proteção a Deus”, relatou Carlos.

Blog Central de Polícia, com informações de Denivaldo Costa e imagem ilustração.