NOTICIÁRIO POLICIAL

Policiais civis e penais iniciam paralisação de 48h

Os policiais civis e penais da Bahia iniciaram nesta segunda-feira, 27, paralisação de 48 horas. As categorias definiram o estado de greve em assembleia conjunta, realizada na semana passada. Os servidores estaduais protestam contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 159/2020, que versa sobre a Reforma da Previdência apresentada pelo Executivo.

“Todas as unidades prisionais estão com a maioria das atividades paralisadas”, confirmou o presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários (Sinspeb), Reivon Pimentel, ao Portal A TARDE.

Segundo o sindicalista, representantes das categorias se reúnem, nesta manhã, na Assembleia Legislativa (AL-BA), com o deputado estadual Robinho (PP) – relator da PEC. “É mais uma tentativa de sensibilizar o governo da necessidade de rever as regras de aposentadoria dos policiais penais e civis”, frisou.

As categorias alegam que serão afetadas pela proposição com a perda de direitos trabalhistas, a exemplo da redução do valor da pensão por morte e do abono permanência.

Nas unidades prisionais, com apenas 30% do efetivo em atividade, visitas dos familiares, assistência educacional, jurídica, laboral e religiosa estão suspensas.

Um dos diretores do Sindipoc em Feira de Santana, Joseval Costa disse que a paralisação é em protesto a reforma previdenciária feita pelo governo do estado, Rui Costa.

O servidor público da polícia civil e penal, pela natureza da sua atividade, tem uma lei específica que dá um tratamento diferenciado, pois é uma atividade de risco, e o governo do estado não está levando isso em consideração.

“Reivindicações inconstitucionais”

Em nota, o governo estadual informou, por meio da Secretaria de Comunicação, “que o debate em torno da necessidade de mudanças na previdência sempre foi público e permanente, com participação do funcionalismo público. Ressalta, ainda, que o projeto original elaborado pelo Governo do Estado foi modificado e reenviado à Assembleia Legislativa após sugestões feitas por diversas categorias em diálogo com deputados estaduais. O Governo do Estado não pode atender às reivindicações dos policiais civis e penais porque são inconstitucionais”.

Portal A TARDE e fotos da redes sociais.

Comentários

COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+

Veja também

Vítima de tiros morre no HGCA

Na noite passada (29), um homem morreu no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA) em Feira de Santana, vítima de disparo de arma de fogo. De

Idoso vítima de atropelo morre no HGCA

Morreu no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA) nesta quarta-feira (29) José Nicolau de Souza, 64 anos, que residia na Fazenda Baraúnas, município de Pedrão. Segundo